Sempre quis foder uma Kitsune

O título já diz tudo, não? Mas vou repetir mesmo assim: Meu sonho é foder uma deusa raposa em forma humana.

 Duas da manhã, eu fiquei o dia todo sem net. Tava no tédio, não conseguia dormir, e bem… Esse é o resultado disto…

 Ah,  a restrição é [16+], eu acho? Enfim, quem liga pra idade? Prossiga.


 

 

Ela estava segurando meu braço, pressionando seus seios em minhas costas, propositalmente. Surpreso, tentei virar-me para encará-la, porém logo foi-me dito:

– N-Não vire! S-Se você virar, e-eu…

Em contrapartida com suas palavras, virei-me, encontrando seu rosto completamente vermelho, além de uma respiração pesada, e olhos que entregavam seus pensamentos. Provocando-a, soltei um sorriso perverso, aproximando-me de sua face, sussurrando docilmente em seu ouvido:

– Você o que?

Em resposta, ela afastou-se, tropeçando para trás. Para evitar que ela caísse, segurei em sua cintura, talvez por mera provocação, já que o motivo dela ter se afastado era eu.

– M-me solte! – Apenas com o toque, seu rosto ficara mais vermelho do que antes, e sua respiração estava ofegante, de modo que parecesse sexy. Eu não sou idiota, nem aquele tipo de protagonista que não consegue ler o clima nem a heroína. O motivo de eu não ter a atacado ainda era meramente escolha minha, já que eu prefiro provoca-la, explorando suas reações. .

– E se eu recusar? – Novamente sorri, encarando-a diretamente nos olhos, de modo em que ela desviasse o olhar, evitando contado visual. Suas ações não correspondiam com seus sentimentos, mas isto era, de fato, excitante. Suas orelhas de raposa eram um tipo de ornamento atraente, combinando com seus cabelos louro-claros, e a pele alva. Tudo isso em conjunto de uma yukata, além da cauda, da mesma cor que o cabelo e as orelhas. Os olhos azuis-claros cintilavam com um brilho misterioso, evitando encarar-me. Suas bochechas estavam vermelhas, e seu rosto estava quente, e ela tentava negar-me com todas as suas forças, nas quais quase não faziam efeito, já que todo o seu corpo implorava pelo meu toque.

Ela colocou as mãos em meu peito, tentando afastar-me, porém, mal parecia que ela havia depositado alguma força no ato.

– Hey, desse modo, você não consegue mover nem uma folha, sabe? Se quer me negar, então ao menos faça isto com vontade. – Continuei provocando-a. – Ou será que a sua vontade anseia por mim?

Com as mãos em sua cintura, puxei-a para mais próximo, como forma de desafiá-la. Por um instante, suas pernas tremeram, com a insuficiência de força para resistir. Percebendo, soltei-a, de modo que ela cambaleasse um pouco. A parte superior da yukata havia aberto alguns centímetros, fazendo com que uma parte caísse nos ombros, e o decote farto ficasse visível. Apenas digamos que minha estabilidade levou dano ao ver tal aparência sedutora, e pela primeira vez, senti minhas bochechas queimarem levemente, fazendo que eu desviasse o olhar por alguns segundos. Que merda de ação tsundere foi essa? Os papeis foram invertidos, por acaso?!

Recuperando a compostura, voltei a encará-la, logo em seguida, desviando o olhar novamente, sentindo que eu acabaria perdendo o controle caso insistisse naquilo, apesar de que, no fundo, ela implorasse por isto, mesmo me negando.

Ainda assim, ataca-la neste estado causaria uma espécie de “Bad End”.

– Vamos voltar, está escurecendo. – Virei-me de costas, deixando claro que eu não tentaria mais nenhuma gracinha, em seguida, escutando alguns murmúrios.

– I-Isto é culpa sua que acabou assim, Ayato! – Sem que eu entendesse o motivo da declaração, ela puxou meu braço, fazendo-me virar para ela, sendo recebido com um beijo.

Se você começou, então não tem problema se eu lhe corromper, certo? Você quem insistiu nisto, eu já havia desistido.

Respondendo o ato, novamente enrolei minhas mãos em sua cintura, prendendo-a próxima ao meu corpo, enquanto usava a língua para intensificar o beijo.

– E-Espere… – Ela afastou os lábios, porém, sem ouvir satisfações, beijei-a novamente, não permitindo que ela retrucasse.

Como que perdendo a noção de si mesma, ela levantou seus braços, cruzando-os atrás do meu pescoço, prendendo-me.

Ao mesmo tempo em que o beijo ficava mais selvagem, aproveitei-me para descer minhas mãos mais um pouco, apalpando a bunda dela. Em resposta, ela arrepiou-se um pouco, e parou o beijo. Eu já esperava que ela iria se afastar, porém, ela não o fez. Como contra-ataque, ela mordera minha orelha, sussurrando docilmente, com um sorriso provocativo, de modo que meu rosto queimasse, e meu coração acelerasse radicalmente.

– Isto é tudo que você consegue?

– Quer descobrir? – Retruquei, recuperando a compostura, apalpando sua bunda com mais força, de modo que ela deixasse um gemido escapar.

– Adoraria. – Disse, de modo um pouco trêmulo e ofegante. Pressionou seus seios contra mim, em seguida, empurrando-me contra o chão. Ajoelhou-se, deslizando mais para baixo, encarando-me com um olhar ardente. Um pouco de saliva escorria de sua boca, e sua yukata estava bem mais aberta do que antes, de modo que eu conseguisse ver seus seios, caso espiasse. Encarou-me, de cima para baixo, enquanto sentava-se em cima de minhas coxas, esfregando-se com a bunda, para cima e para baixo, propositalmente. Em seguida, deslizou suas mãos pela minha barriga, subindo para o peitoral e abrindo a borda de minha yukata, puxando-a para baixo. Depois de lançar-me um olhar excitado, deslizou mais para baixo, pousando suas mãos sobre o topo de minha calça, próxima do zíper, e, em seguida, indagou, com um sorriso perverso:

– Com a boca, ou com os seios?

– E a terceira opção? – Encarei sua cintura, com um sorriso pervertido, deixando claro a verdadeira intenção da pergunta.

– Você é bem ousado, ein? – Em deslizou o polegar em meus lábios, fazendo-me abrir a boca, enquanto aproximava-se, iniciando mais um beijo, desta vez, usando a língua.

Retribuindo um dos atos anteriores, desci a borda de sua yukata, deixando a parte superior totalmente a mostra. Seus seios eram rosados, além de grandes.

Aproveitando o momento, agarrei-a, girando-me contra ela, trazendo-a para o chão, de modo que eu ficasse em cima. Ela encarou-me, com os cabelos espalhados no chão, enquanto erguia o braço, deslizando as mãos por meu cabelo, bagunçando-o.

-Seu cabelo é macio…

Apesar de eu odiar que mexessem em meu cabelo, deixei-a fazê-lo, por achar aquilo confortável, pela primeira vez. Por alguns segundos, tudo ficou em silêncio. Eu estava parado, encarando-a, silenciosamente, enquanto ela acariciava meu cabelo, que pendia para baixo, devido à gravidade. Minha perna estava entre as coxas dela, enquanto minha mão esquerda prendia o braço direito dela.

Ela deslizou a mão por meu rosto e sussurrou, com um sorriso iluminado, além do rosto corado e lábios molhados:

– Eu te amo.

– Se você me encarar de forma tão adorável, eu posso acabar te violando, sabia?

– Mesmo? Então, por favor, seja gentil. – Provocou-me novamente, lambendo os lábios.

– Isto não pode ser negociado – Sorri, lambendo seus seios, em seguida, mordiscando-os. Ela gemeu alto, contraindo suas pernas de prazer.


 

Convite e Aviso

Olá, eu gostaria de lhes fazer um convite, que é entrar para um grupo de RP, no qual me pertence.

A história se passa em um mundo pós-apocalíptico, na qual a humanidade tenta se restabelecer, apoiando-se em torno de uma árvore, que trouxe toda a vida e a esperança novamente, dando-lhes uma chance de sobreviver em um mundo abandonado por Deus, que sofre ataque de demônios.

Porém, essa árvore é uma faca de dois gumes. Ao mesmo tempo que é a esperança da humanidade, também é sua perdição. E assim, dividem-se dois grupos: Lumières, que escolhem proteger árvore, e Obscuritès, que planejam destruí-la.

As coisas estão melhores explicadas no grupo. É bem organizado, pelo fato de ser complexo. Está tudo arquivado, desde glossários, até regras, classes e guias de ajuda.

Chama-se Jardin d’Eden, e ele se torna ativo durante as férias de Julho e Dezembro. Exceto durante esses períodos, inatividade será perdoada, sem a perca das fichas. Deixarei o link~

https://www.facebook.com/groups/1610028872615844/

 


 

Aviso em relação ao meu projeto de Web Novel: Ele ainda está ativo, estou escrevendo o planejamento de capítulos primeiro. Irá demorar, me desculpem, mas não se preocupem, vale a pena a espera.

Enquanto isso, vou colocando algumas oneshots, para não deixar o blog inativo.

No momento, também estou trabalhando na história e atualizações do Jardin d’Eden, mas isso não quer dizer que não há progresso na Web Novel.

É isso.

E para quem pretende participar do RP, sejam bem-vindos. O grupo é aberto, caso queiram apenas dar uma olhadinha.

Coming Soon

Bem, este é um projeto que está sendo organizado, bem detalhadamente, então, por enquanto, não haverão posts.

Serão capítulos grandes, e em formato de escrita ocidental.

É uma fantasia, com traços de sobrenatural. Enfim, só fiz isso pra anexar ao menu.

Apenas digamos que é uma história sobre traidores,  guerras e poder.

Sedativos para o sono profundo.

Alguns dizem que sou uma pessoa singular.

No fim, ninguém pode realmente me entender, e sempre se afastam.

Talvez seja a punição de alguém destinado a ficar sozinho?

Venho imaginando o quanto eu perdi: Amigos, colegas…. No fim, até mesmo minha própria família rompeu todos os laços comigo.

Mesmo que eu possua uma herança milionária.

Mesmo que eu more sozinho em uma mansão cheia de quartos.

Mesmo que eu possua tudo, todos querem distância de mim.

Eu diria que estou solitário, mas isto seria uma mentira. No fim, a escuridão acentuara-se em minha alma. Coisas que vejo, coisas que ouço.

Mesmo assim, eu realmente prefiro estar sozinho do que possuir uma companhia tão desagradável, que sussurra na borda de minha orelha, pedindo que eu faça coisas extremas, nas quais me arrependerei.

Remédios e sedativos não funcionam mais. Eu não posso dormir. Eu estou tão cansado…

Me deixem em paz, por favor!

E deitado na escrivaninha do meu escritório particular, começo a arranhar-me. Calem a boca.

Calem a merda dessa boca!

O copo de café está cheio, no fim, o máximo que posso fazer é ficar acordado. Mesmo se eu dormisse, eles não me deixariam.

Eu fiz algo ruim?

Eu pequei?

Mesmo que eu tenha feito, isto não é uma punição injusta?

Vocês levaram tudo de importante para mim, e ainda estão tentando levar minha sanidade?

Parem, por favor, parem!

Tomo mais um sedativo, tentando me acalmar. Minutos depois, tomo mais outro, sem receber resultados. Tal vício tornara-se um hábito, e no final, deixara de fazer efeito. Mesmo assim, preciso toma-los. Eu quero toma-los.

Todas as sombras me encaram, com seus sorrisos tortos. Não me olhem assim…

Não olhem com tamanho desprezo, parem de rir de mim.

Eu não aguento mais.

Apenas me deixem descansar, por favor…

Aperto a palma da mão sobre minha face, tentando fechar os olhos, com um rosto depressivo. Ouço o som do copo de café se quebrar, e as risadas se tornam mais constantes. Mesmo sem abrir os olhos, posso sentir todos encarando-me, com sorrisos desagradáveis.

Por trás, sinto a sensação de conforto, enquanto alguém me abraçava. Ainda assim, era frio.

Frio como a morte.

Frio como o medo.

Tão frio, que meu coração poderia congelar-se.

Me pergunto se poderei ter descanso.

No final, só há um modo de que me deixem dormir em paz.

Hah, então é assim…

Que miserável.

Espero encontrar paz no lugar em que irei. Eu já fiz minha escolha.

Ninguém me ama.

Ninguém se importa comigo.

Ninguém lembra que eu existo.

Que diferença faria?

Mesmo assim, quero deixar uma carta. Um último adeus. Eu estou desistindo.

Vocês ganharam…

Tomo uma última dosagem, despedindo de meu companheiro de longa data. Meu corpo finalmente está ficando dormente.

O remédio está fazendo efeito?

Ah, eu sinto um enorme vazio por dentro.

Engulo mais três pílulas, de uma vez, sentindo um alívio inacreditável.

Uma overdose parece um final tão calmo.

Consciente dos meus últimos momentos, volto para minha escrivaninha, com dificuldade para manter-me sentado.

Tanto faz, apenas uma despedida é suficiente…

Escrevo uma carta. Se alguém um dia a ler, então quero que saibam que…

Eu odeio vocês.

Odeio esse mundo.

Odeio esse Deus, que me abandonou.

Odeio minha família.

Se eu pudesse fazer um último desejo, então sinceramente, espero que todos vocês sejam traídos, abandonados, desprezados, e se tornem um lixo tão miserável quanto o que eu me tornei.

E como última mensagem, gostaria de dizer que espero vê-los novamente no inferno, pois levarei todos vocês comigo.

Amaldiçoarei este mundo.

Esta merda de destino.

Este lixo que me tornei.

Aqueles que me tornaram esta coisa miserável.

Argh, está tudo ficando branco…

 

 

 

Quente…

Apresentações

Uh… post desnecessário, eu creio?
Enfim, vou contar um pouco da minha história: Eu nasci como uma deusa, que possuía o sonho de virar o Lorde dos Demôn-
Okay, okay. Desculpa! Irei seriamente agora, juro!
Meus sonhos? Sinceramente, eu adoraria um harém netorare, com lolis, e bundas. Muitas bundas~
Provavelmente estou manchando minha imagem, sendo tão sincera quanto minhas preferencias sexuais ( válidas apenas para 2d ), eu suponho?
Vejamos… Curto ler erog- mangás no meu tempo livre, e também gosto de escrever, principalmente temas porn…, digo, temas de dark fantasy, psicológico, e aventura, misturados com fantasia.
Meu nome… Um dia saberão. Juro que não sou um velho pedófilo se passando por mulher ~
Ah, tenho 14 anos, faço aniversário dia 26 de setembro. Por que falei isto? Pois quero que ao menos uma pessoa se lembre de que eu nasci, e me parabenize por isso.
Hm, acho que é apenas isto~
Vejo-lhes nas minhas próximas obras.
Ah, apenas para deixar claro, nem todas obras são em formato de Web Novel japonesa, e tals. Também escrevo no estilo oriental~
*Vagas para o meu harém disponíveis *
Ignore o parágrafo acima.
E adeus, vejo-lhes no meu próximo tópico~